Vamos Relembrar: Criação da Faculdade

O Brasil e o mundo viviam um momento singular na década de 1960. No País, colhíamos os frutos de duas eras de grande desenvolvimento, lideradas pelos presidentes Getúlio Vargas (de 1930 a 1945 e entre 1951 e 1954) e Juscelino Kubitschek (de 1956 a 1961). Internacionalmente, o mundo recuperava-se do mais sangrento episódio de toda a sua  História: a Segunda Guerra Mundial. Foi, portanto, um período de crescimento exponencial.

O País expandia-se e necessitava, cada vez mais, de recursos humanos qualificados para dar as respostas que tal expansão demandava. Em termos regionais, o Grande ABC (formado pelos municípios industrializados de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e cidades vizinhas) era um dos principais focos de desenvolvimento da época, especialmente pela presença da emergente indústria automotiva.

Vale lembrar que, em 1964, militares das Forças Armadas destituíam o governo civil e democraticamente eleito do então Presidente da República, João Goulart, também conhecido como Jango, e instituíam um novo regime de governo, sob o argumento de combater uma suposta ameaça comunista que pairava sobre o Brasil. O golpe militar deixou marcas profundas na trajetória brasileira ao longo de duas décadas.

 

Cerimônia de Instalação da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo, 19 de novembro de 1964.

Escassez de mão de obra qualificada

Além do ambiente político conturbado, vivia-se uma época em que os cursos superiores ainda eram poucos, com limitado número de vagas e, em geral, centralizados nas capitais do País. Apesar de haver tradição, inclusive secular, de ótimas escolas jurídicas – como as Faculdades de Direito da Universidade de São Paulo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, da Universidade Federal de Pernambuco e da Universidade Federal de Minas Gerais –, o acesso a essas Instituições era restrito e muito concorrido.

É nesse contexto que um grupo de idealistas gestou a criação de uma faculdade pública de Direito na região do Grande ABC.

Dr. Paulo Teixeira de Camargo na Câmara Municipal, década de 1960.
Informação retirada integralmente do livro Jubileu de Ouro da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo – 50 anos de Amor Acadêmico.