Ex-aluna da FDSBC participa da 16ª Cúpula do Prêmio Nobel da Paz, na Colômbia

Mais do que uma importante atividade para o currículo, uma grande experiência de vida: é dessa forma que Bruna Adamatti, ex-aluna da Direito São Bernardo, classifica sua participação como Delegada da Juventude do Brasil na 16ª Cúpula do Prêmio Nobel da Paz, que ocorreu em Bogotá, na Colômbia, entre os dias 01 e 04 de fevereiro deste ano.

O convite para participar do evento foi feito pelo Instituto Global Attitude, através de um programa chamado “Diplomacia Civil”, que tem como escopo ampliar a participação de brasileiros em eventos internacionais, sobretudo, jovens com potencial de liderança. A seleção contou com 170 participantes de todas as regiões do Brasil. Oito delegados com idades entre 20 e 32 anos foram selecionados pelo corpo diretivo do instituto com base em critérios de: currículo, experiência, possibilidade de impacto social e motivação. No evento, oficialmente, fizeram-se presentes 25 laureados pelo Nobel da Paz, entre indivíduos e instituições.

“Fui representante da região sul do Brasil, junto com outra conterrânea. Também houveram representantes do Sudeste e Nordeste. Eu tive a honra de conversar pessoalmente com uma laureada e fui convidada a jantar com outra representante de instituição premiada, onde recebi uma palestra privada! A experiência foi única e incrível”, revelou Bruna.

O evento contou com quatro dias de palestras, debates e painéis. A delegação da qual a ex-aluna da FDSBC participou apresentou um painel sobre a “Juventude Brasileira caminhando rumo a ODS 16 da ONU”. “A apresentação foi um sucesso e tive a honra de ser um dos quatro delegados que participaram. Ainda fizemos uma visita à Embaixada do Brasil na Colômbia e nos reunimos com o embaixador e diplomatas, que conversou conosco sobre as relações entre países e carreira na diplomacia”.

Para Bruna, eventos como a Cúpula do Nobel da Paz, que reúnem uma miríade de culturas, tendem a revelar a cada um as próprias falhas, a falta de conhecimento sobre o mundo, possíveis preconceitos, e não é possível participar dessas atividades acreditando que se estará em uma zona de conforto. Aos estudantes de Direito ela sugere: “Busquem o novo, desconstruam suas convicções, bem disse Nietzche que a convicção é virtude dos ignorantes! Importem-se com o mundo ao vosso redor. Eventos de discussões abrangentes, sobretudo internacionais, abrem nossos olhos para o bom o mau e o feio, tanto do ambiente externo, como o que existe em nós”.

E para aqueles que desejam se engajar em áreas como a Diplomacia Social e construir uma carreira satisfatória de maneira geral, Bruna afirma que devem buscar experiências valiosas e não apenas um bom currículo. “Experiência de vida, trabalhos voluntários, criar projetos sociais, imergir em outra cultura, aprender outro idioma, fundar um grupo de apoio. Informem-se, não caiam nas armadilhas da lamestream media e fake news. Aprender acima de tudo. Não, não larguem os estudos! Muito pelo contrário. Absorvam o que há de bom, lutem contra o que consideram injusto e descartem o defasado (desde que tenham ideia melhor a apresentar! E eu sei que vocês têm, somos jovens, afinal!). Parafraseando a laureada Jody Williams ‘vocês, jovens, não são o futuro, são o presente. O momento de agir é agora!’. O que fazemos agora ecoará no futuro, mas o momento de viver e fazer é o presente”.

Graduada em Direito em 2014, Bruna Adamatti tem como objetivo, atualmente, realizar um mestrado na área de Resolução de Conflitos e Ajuda Humanitária.