fbpx

Estudante aborda em TCC a situação de panfleteiros e cavaletes humanos

Caroline de Jesus Alves apresentou trabalho sobre “A instrumentalização dos panfleteiros e cavaletes humanos e o respeito à dignidade da pessoa humana”

A estudante Caroline de Jesus Alves recebeu nota máxima em seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo e ganhou elogios dos professores integrantes da banca avaliadora por abordar um tema de grande impacto social: “A instrumentalização dos panfleteiros e cavaletes humanos e o respeito à dignidade da pessoa humana”.

De acordo com Caroline, a ideia para o tema do trabalho surgiu logo no primeiro ano da faculdade, nas aulas do professor Estevan Lo Ré Pousada, que falava sobre a falta de sensibilidade e comoção com as pessoas que ficavam nas ruas com uma placa pendurada no pescoço anunciando empreendimentos imobiliários. A estudante explica que o tema chamou sua atenção em razão de sua própria vida, marcada por dificuldades financeiras, e afirmou que ela também poderia ter sido uma panfleteira ou cavalete humano caso não tivesse surgido várias oportunidades, como o apoio dos empregadores de sua mãe com os custos da faculdade.

“O tema do meu TCC tem o objetivo de fazer as pessoas, pelo menos ao lerem, observarem e se colocarem no lugar de um panfleteiro ou cavalete humano. É um fato que acontece todos os dias e ninguém nota, ninguém toma uma providência”, afirmou Caroline.

De acordo com a estudante, tanto os panfleteiros como os cavaletes humanos ficam mais de 8 horas fazendo anúncios, sem fornecimento de alimentação, água, sanitários ou mesmo um refeitório, e precisam pedir em postos de gasolina ou estabelecimentos comerciais para utilizarem um banheiro, levando sempre consigo a placa ou os panfletos. Caroline salienta que essa situação fere a dignidade da pessoa humana, instrumentalizando o ser humano, já que, no caso dos cavaletes humanos, as pessoas se tornam ‘postes’ em que uma placa fica pendurada anunciando, na maioria das vezes, empreendimentos imobiliários.

“O meu TCC busca propor melhores condições de trabalho para essas pessoas, além de tentar dignificar o homem e a atividade, pois o meu objetivo não é exclui-lo, mas apresentar uma forma mais humana e digna do trabalho, até porque a maioria das pessoas que se submetem a esse tipo de atividades são pobres que precisam do dinheiro, sendo injusto retirá-los de lá sem outra possibilidade de garantir o mesmo”, ressaltou Caroline.

Com o objetivo de tratar do assunto com propriedade e retratar a realidade vivenciada por esses trabalhadores, a estudante se propôs a entregar panfletos por um dia, próximo ao metrô Ana Rosa, na cidade de São Paulo. “Fiquei poucas horas, pois o trabalho é cansativo e desgastante. Depois de um tempo o corpo começa a doer, a fome aperta e a vontade de ir ao banheiro atormenta. Vários convites indecentes foram propostos a mim e imaginei a todo tempo como uma menor reagiria, pois é muito comum ver menores e senhores de idade trabalhando nessa área”.

Caroline conta que a nota máxima no trabalho foi uma surpresa e que foi um desafio escrever sobre um tema ainda pouco tratado no âmbito acadêmico. “Fico feliz pelo impacto que meu trabalho trouxe e espero que esse TCC não mude apenas a minha vida, mas também a de milhares de panfleteiros e cavaletes humanos que vivem nas ruas”.

Com a conclusão do curso de Direito, Caroline fala sobre os próximos passos na carreira. “Inicialmente quero advogar. Depois pretendo exercer alguma atividade no ramo jurídico que eu possa trazer melhorias para as pessoas das comunidades, seja na docência, em alguma ONG ou trabalho voluntário. Não sei ao certo. Apenas tenho a certeza que irei retribuir à sociedade todo o conhecimento que adquiri no curso de Direito por meio dos investimentos que um dia os patrões da minha mãe fizeram por mim”.

Ver mais notícias