fbpx

Ganhadora de prêmio norte-americano palestra na Direito São Bernardo

O evento foi realizado para estimular os estudantes a participarem do Hackathon 2018

O Meetup do Hackathon promovido pela Associação de Advogados de São Paulo (ASSP) ocorreu ontem (29), das 19h às 22h, na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. O evento teve como objetivo tirar dúvidas e orientar os alunos que desejam participar do desafio Hackathon 2018 (maratona de programação que visa encontrar soluções que impactam uma organização) que ocorrerá entre os dias 10 e 11 de novembro.

Jonathan Nelson, gerente de inovação da Associação de Advogados de São Paulo, afirma que o evento foi um incentivo aos estudantes para participarem da Hackathon: “O encontro teve como objetivo falar sobre o Hackathon. Trazer diversos conhecimentos, apresentar a maratona e falar sobre a competição. Por meio de outra atividade os alunos puderem ver que existem várias possibilidades de enxergar a área de direito”, diz.

As palestras serviram para expor aos participantes como funciona, o que é e o poder do Hackathon no meio jurídico. Os presentes receberam a participação especial da advogada Anne Chang.

Anne Chang palestra na Direito São Bernardo

Anne é especialista em M&A e investimentos ganhou prêmio do governo norte-americano em 2016 sobre o uso do blockchain em saúde.

O blockchain, tecnologia de registro distribuído que visa a descentralização como medida de segurança, foi a ferramenta escolhida pela ASSP para a maratona de programação de 2018. A advogada dialogou com os alunos sobre tecnologia e o impacto na área jurídica.

A palestrante discursou sobre temas de inteligência artificial, blockchain, as tecnologias que impactam a área de direito e comentou em relação ao prêmio que ganhou no governo Obama nos Estados Unidos.

Nélida Santos, doutora em Direito tributário, relata a importância para os futuros advogados: “Evento importante para os profissionais da área jurídica, cujos talentos podem ser despontados com a tecnologia ao seu lado. O Hackathon é uma iniciativa que aproveita os erros para mostrar que o aprendizado e as conquistas chegam com dedicação e muito treino. ASSP, parabéns a essa gestão tão antenada e empreendedora. A advocacia agradece!”, comenta.

Maratona de programação 2018

A segunda edição ocorrerá entre os dias 10 e 11 de novembro. A ASSP é a organizadora do evento e como ferramenta para a maratona de programação escolheu o blockchain. Para participar deve ser realizada uma pré-inscrição pelo site da ASSP até o dia 31 de outubro. Após isso será feita uma analise para a seleção dos candidatos.

Um Hackathon jurídico é uma das programações voltadas para descobrir novas soluções que facilitem a vida dos advogados. São muitos os benefícios de participar desse evento, como montar um networking, lidar com o trabalho em equipe e com a pressão de uma competição, oportunidade de negócio e, progressão na carreira.

Jonathan evidencia a importância da participação dos futuros advogados neste evento: “A forma de trabalho mudou e o desenvolvimento é mais rápido. A tecnologia está em constante mudança hoje vemos várias áreas de atuação que são substituídas pela tecnologia. O impacto da convergência tecnológica faz com que o advogado trabalhe de outra forma. A intenção é agregar na área de direito e aprender na prática o trabalho em equipe. Hoje chamamos de economia colaborativa”, finaliza.

Para mais informações acesso o site do Hackathon.

Confira abaixo bate-papo com a palestrante Anne Chang:

Faculdade de Direito de São Bernardo: Qual foi o tema principal da palestra realizada?

Anne Chang: “A palestra foi sobre o impacto da tecnologia no Direito e sobre as soft skills que são desejáveis a advogados no cenário atual. Às vezes, temos uma visão desatualizada – ou mesmo superficial – sobre o papel do advogado e a instrumentalidade de certas habilidades e conhecimentos em nosso trabalho”.

FDSBC: Você poderia comentar sobre o cenário atual entre tecnologia e o meio jurídico?

A.C: “A tecnologia é um instrumento no meio jurídico, não um fim em si. E essa opinião não é apenas minha: especialistas que desenvolvem ferramentas para advogados afirmam que a inteligência artificial para documentos jurídicos, por exemplo, é uma ferramenta semelhante ao corretor ortográfico na elaboração de e-mails.” Fonte: blog nvidia

A.C: “Ao mesmo tempo, a tecnologia muda a forma que interpretamos regras e relações jurídicas. O blockchain, por exemplo, não é, by design, uma tecnologia compatível com GDPR/LGPD. É fundamental que advogados entendam seu papel como operador do Direito e como agente de mudanças para que possa proteger seus clientes e a norma, claro”.

FDSBC: Como você analisa a importância de palestras que incentivam o aluno a lidar mais com a tecnologia e o meio jurídico?

A.C: “Muitas vezes, alunos se queixam de ter uma grade acadêmica diferente da realidade de trabalho ou que não inclui discussões jurídicas mais recentes. É mais comum falarmos na faculdade sobre teorias que têm décadas de discussão (por exemplo, controle nas sociedades anônimas) do que desdobramentos recentes (como a tokenização de valores mobiliários ou se o bitcoin é moeda). As palestras visam permitir ao aluno contato com áreas diferentes, assuntos interdisciplinares e teses jurídicas que ainda estão se desenvolvendo. É uma forma de trazer ao aluno assuntos que ele não veria na sala de aula – ou mesmo no trabalho – e que podem despertar interesse profissional ou acadêmico”.

Ver mais notícias